javascriptNotEnabled

Home \ Comunidade \ Blogs \

Compêndio bêbado sobre o poker

Histórias ou estórias inusitadas sobre o poker.
Por: KaykeLi
Enviar MP
/Fev/2014

Bem me quer. Mal me quer

Por: KaykeLi @ 03:52 (-03) / 19 / Comentário ( 2 )

                Bem me quer              Mal me quer

 

 

 

 

                           

KaykeLi

Horas haviam se passado e a maré de azar continuava. Eu estava seguindo o protocolo: Manter a calma. Não fugir da estratégia básica e comprovada. Não me frustrar. (Ô trabalhinho difícil) Lá estava eu, firme e... nem tão forte assim. À medida que o Big Blind aumentava eu ficava mais pressionado e impressionado com as mãos que me eram dadas. Se não fosse pelo Cowboy de Manaus que estava sentado ao meu lado, eu acharia que o baralho estava faltando cartas altas, mas o desgraçado estava com sorte.
Quando eu já me dava por convencido de que aquele não era o meu dia, eis a luz! Voei alto, quase não contive a emoção, AA – o famoso American Airlines – o objeto de desejo de todo jogador do Texas Hold'em No Limite. Olhei para o Cowboy ao meu lado e logo pensei: É... agora é a minha vez. Vou reduzir esse pote seu à metade e acabar com esse sorrisinho amarelo. O Big Blind estava 120, eu apostei 500. Logo, todos da mesa correram, isto até chegar a vez dele, o Cowboy. Ele olhou fixamente para mim, eu me mantive sério. Ele passou as fichas por entre os dedos, eu me mantive sério. Ele deu Call. HAHA! Ergui a cabeça, o encarei de volta, soltei um sorriso irônico, daqueles que nada importam.

Eis o Flop

Em minha mente, dei pulos de alegria. Podia ver o sol brilhando novamente. Eu estava no jogo. Uma trinca! Após algumas horas de azar, senti que aquele era o meu momento. O bem me quer de todo jogador No Limit. Dei All in. O Cowboy novamente parou, olhou, pensou, deu Call. Claro, o valor que ele tinha em fichas era o dobro do meu. (Mas não por muito tempo.)

                        Eis o Turn       Eis o River

                                                         

Eu já ia passando a mão nas fichas, quando, de repente, o Cowboy de Manaus gargalhou. Eu olhei para ele e pensei: Está rindo de quê, desgraçado?
Ele lançou as cartas sobre a mesa, eram um J e K de paus.
- FLUSH! Gritou ele, para minha insatisfação.
Voei tão alto com o meu American Airlines, que acabei esquecendo a velha a deixa: Quanto mais alto, mais nuvens, quanto mais nuvens, menor é a visão.

Para fazer um comentário, você precisa realizar seu login ou se registrar.
Fazer o Quiz
Novo por aqui? Faça nossa Avaliação de Poker para iniciar o seu aprendizado.
já é um membro? Fazer Login
javascriptNotEnabled
Aprenda Estratégias básicas até avançadas
Pratique Melhore suas habilidades com os nossos Instrutores
Ganhe! Se estabelecer como um jogador ganhador